Hipertensão Arterial, Tratamento da Hipertensão Arterial

Conheça os Riscos da Hipertensão Arterial Durante a Gravidez

Publicado em 08/26/2022 por

Proteja você e seu bebê entendendo a pré-eclâmpsia, a eclâmpsia e os outros perigos potenciais da pressão alta durante a gravidez.

Como futura mãe, seja para o primeiro ou para o quinto filho, o desejo é sempre experimentar a gravidez mais saudável possível. No entanto, problemas de saúde como pressão alta, também conhecida como hipertensão, podem representar riscos significativos.

A hipertensão aumenta o risco de desenvolver certas complicações na gravidez, especialmente se esses problemas não forem tratados.

Compreender a relação entre pressão alta e saúde fetal ajudará a manter a mãe e o filho o mais seguros possível durante a gravidez.

Complicações da pressão alta durante a gravidez

A hipertensão arterial pode ter muitas complicações durante a gravidez, tanto para a mãe quanto para o filho.

Se a mãe já tem hipertensão antes da gravidez ou a desenvolve durante a gravidez, é importante ficar atento à pressão arterial e aos sintomas.

É melhor manter todas as consultas regulares com o obstetra para que eles possam monitorar a saúde da mãe e da criança muito de perto.

Hipertensão Gestacional

A pressão arterial pode aumentar durante a gravidez, especialmente após 20 semanas. Isso é conhecido como hipertensão gestacional.

As pessoas com hipertensão gestacional normalmente não sofrem nenhum dano ao órgão que pode resultar da hipertensão a longo prazo. A razão é que a hipertensão gestacional é geralmente temporária.

A hipertensão gestacional pode simplesmente melhorar, mas tem o risco de evoluir para pré-eclâmpsia.

Pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia é uma complicação grave que pode se desenvolver em gestantes com hipertensão gestacional. Um aumento do nível de proteína na urina é um indicador típico de pré-eclâmpsia.

Na condição de pré-eclâmpsia, a pressão alta progrediu a ponto de causar danos a órgãos vitais, como rins, fígado e cérebro. Esse dano pode ser revertido, mas somente através de um manejo cuidadoso e do uso de métodos de tratamento da pressão alta.

Se não for tratada, a pré-eclâmpsia pode progredir para uma condição mais perigosa, a eclâmpsia.

Eclampsia

Durante a eclâmpsia, os vasos sanguíneos danificados impedem o fluxo sanguíneo adequado por todo o corpo. Isso pode levar a condições que afetam o cérebro, como convulsões, comas ou até mesmo derrame.

A eclâmpsia é uma condição muito séria que põe em risco tanto a mãe quanto o bebê. O tratamento médico salva vidas.

Dito isto, nem todos os casos de pré-eclâmpsia se transformam em eclâmpsia. Os sinais de eclâmpsia incluem picos de pressão arterial anormalmente elevados, dor abdominal, dores de cabeça e alterações visuais.

As chances de desenvolver essa condição aumentam em pacientes grávidas com menos de 18 anos ou mais de 35 anos, em gestações gemelares (ou outras múltiplas) ou em pessoas com diabetes.

Riscos para o bebê

A hipertensão não representa apenas um risco para a saúde da mãe. Também pode interferir no desenvolvimento natural e saudável do bebê.

Os riscos para a saúde do bebê incluem baixo peso ao nascer, descolamento prematuro da placenta e parto prematuro.

Baixo peso de nascimento

Casos mais graves e duradouros de pressão alta podem fazer com que o bebê nasça alguns quilos abaixo do peso, mesmo que nasça na hora certa.

Isso ocorre porque um fluxo sanguíneo restrito pode limitar a quantidade de sangue que chega à placenta, o que, por sua vez, significa que o bebê não está recebendo todos os nutrientes que normalmente estariam disponíveis para eles.

Eles também podem ter um crescimento lento porque a falta de nutrientes leva a um desenvolvimento fetal mais lento. Este é um problema maior durante os primeiros estágios de desenvolvimento, quando a maior parte da replicação celular está ocorrendo.

Ruptura Placentária

Durante a gravidez, a placenta está aderida à parede uterina. A pressão arterial muito alta pode causar um descolamento prematuro da placenta, que é quando a placenta se desprende prematuramente da parede uterina.

O descolamento pode ser parcial com apenas um pequeno sangramento, ou pode envolver a separação total da placenta do útero.

Esta é uma circunstância muito rara, mas se acontecer, significa que o bebê não está mais recebendo os nutrientes e oxigênio de que precisa. Esta é uma condição emergente que exige a entrega imediata do bebê.

Parto Prematuro

O parto prematuro pode ocorrer como resultado direto da pré-eclâmpsia, ou o parto pode precisar ser induzido mais cedo do que o previsto devido a outras complicações durante a gravidez relacionadas à pressão alta.

Os bebês prematuros podem precisar passar mais tempo no hospital e têm um risco maior de desenvolver algumas complicações de saúde. No entanto, muitos bebês prematuros também desfrutam de uma vida longa e saudável, sem problemas de saúde perceptíveis após alguns meses.

Tratamento de pressão alta adequado para a gravidez

Alguns medicamentos para pressão arterial podem ser tomados durante a gravidez, mas outros podem não ser. A mãe deve ler os rótulos e estar ciente de todas as advertências de saúde para quaisquer medicamentos que são tomados durante a gravidez, e discutir esses riscos com o obstetra.

É claro que métodos naturais de tratamento, como ajustar sua dieta e rotina de exercícios, podem ser úteis no caso de hipertensão gestacional, mas esses métodos devem ser discutidos com o obstetra.

Pensamentos finais

Se a pressão alta for uma preocupação depois de engravidar, não demore a procurar atendimento médico. É melhor obter os cuidados mais seguros possíveis durante a gravidez.

Conteúdo Relacionado